Parque Estadual da Ilhabela


O Parque Estadual de Ilhabela preserva uma das maiores áreas de floresta inclusas nos 3% do que ainda resta da Mata Atlântica do estado de São Paulo. Com árvores de 20 a 30 metros de altura e muitas epífitas ( bromélias, caraguatás e orquídeas) o Parque reserva uma floresta densa, onde pode ser observado a vida de todo ecossistema e seus recursos naturais.

Os 27.025 hectares do Parque englobam 85% do município de Ilhabela, a Ilha de São Sebastião, sede do município, as ilhas de Búzios, da Vitória entre outras que compõem o arquipélago que integram a rede de Unidades de Conservação administrada pela Secretaria do Meio Ambiente através do Instituto Florestal.

A ilha de São Sebastião, a maior do arquipélago, apresenta um relevo bastante acentuado, com destaque para os picos do Baepi, com 1025 metros, o do Papagaio, com 1037 metros e o de São Sebastião, com 1379 metros. Essas grandes formações formam uma barreira para os ventos carregados que vêm do mar. Por essa razão, o clima da região é o tropical úmido, com grande ocorrência de chuvas.


A Mata Atlântica e seus ecossistemas associados, como a restinga e o mangue, abrigam centenas de mamíferos como o macaco-prego, o caxinguelê e a cada vez mais rara jaguatirica. Tucano, maritaca, tiê-sangue, macuco, gavião-pega-macaco, apuim-das-costas-amarelas, jacu e jacutinga, entre outros pássaros, compõem a avifauna do Parque.

Algumas espécies são endêmicas (só existem nesse ecossistema), como o cururuá, um rato peludo que vice na restinga de Ilhabela. O arquipélago serve também de refúgio para espécies de aves migratórias que lá encontram pousada e alimento, durante o intervalo de grandes jornadas que realizam todos os anos.

Tucano, maritaca, tiê-sangue, macuco, gavião-pega-macaco, apuim-das-costas-amarelas, jacu e jacutinga, entre outros pássaros, compõem a avifauna do Parque. 

Algumas espécies são endêmicas (só existem nesse ecossistema), como o cururuá, um rato peludo que vice na restinga de Ilhabela. 

O arquipélago serve também de refúgio para espécies de aves migratórias que lá encontram pousada e alimento, durante o intervalo de grandes jornadas que realizam todos os anos.

jacu